Hochdorf drinking horn

Hidromel é uma bebida alcoólica, fermentada à base de água e mel, podendo ser adicionado de frutas e especiarias, desde que a maior parte dos açúcares transformados em álcool sejam provenientes do mel. Seu teor alcoólico pode variar de 4% à mais de 20% por volume.

O Hidromel esteve presente em várias culturas antigas espalhadas pelo mundo, como a Celta, Nórdica, Eslava, Grega, Hindu, Romana, Egípcia, entre outras. O Hidromel, ou a bebida fermentada do mel, já era conhecida por toda África, Ásia e Europa bem antes do surgimento da cerveja e do vinho, já que o mel foi um dos primeiros alimentos amplamente consumidos pelas primeiras civilizações.

O Hidromel está presente em vários contos e mitologias espalhadas pelo mundo, como nos contos e mitos celtas. Na cultura cela, o hidromel era a bebida preferida de vários guerreiros e divindades. Era também apreciado pelos celtas em suas festividades em agradecimento às colheitas e em determinados rituais.

O uso do mel como adoçante, conservante de alimentos e fonte de açúcares para fazer hidromel e cervejas, era bem conhecido pelos celtas da Idade do Ferro. Existem indícios suficientes, não só para comprovar que os celtas recolhiam mel silvestre, como tinham conhecimentos básicos sobre apicultura e produção de hidromel em grandes quantidades. Isso fica comprovado, por exemplo, pela descoberta de um grande caldeirão de bronze do período Hallstatt, encontrado no túmulo de Hochdorf, contendo sedimentos de aproximadamente 400 litros de hidromel[1].

Caldeirão de Hochdorf

Algumas tribos celtas acreditavam que o hidromel aumentava a virilidade, fertilidade e era tido como um alimento afrodisíaco. Entre as tradições celas irlandesas, existia a tradição dos recém casados beber hidromel todos os dias durante o intervalo entre uma lua cheia e outra. Também na Irlanda, acredita-se que o hidromel era consumido por toda a sociedade, desde monges, camponeses, nobres e reis, mas era a principal bebida entre os mais pobres.

De acordo com a tradição irlandesa, o nome da mítica Rainha Medb de Connacht é associado filologicamente com “embriaguez de hidromel”, uma vez que o hidromel era consumido em grandes festivais sagrados celtas e o nome oficial do grande salão de Tara, Irlanda, onde a Rainha Medb presidia, era Tech Midhuarta, que significa salão da bebida ou salão do hidromel [1].

Com o desenvolvimento da agricultura e as melhorias nas técnicas de plantio e colheita, a cerveja ganhou espaço entre os celtas, sendo consumida diariamente por grande parte da sociedade. No entanto, a cerveja era consumida em sua maioria como um alimento e não como fonte recreativa e festiva. O vinho também foi introduzido na cultura celta pelos gregos, mas era pouco produzido, necessitando ser importado de outras regiões e por isso era mais consumido pelos nobres celtas. Já o hidromel se manteve como a bebida recreativa mais consumida pelos povos celtas.

Com as sobras do grãos usados na produção de cerveja  e na alimentação, surgiram variedades de hidroméis como o  Braggot (bragawd em galês), um hidromel a base de mel e malte tradicional entre os celtas que viviam onde é hoje o País de Gales. O bragawd foi primeiramente feito com mel e lúpulo. O lúpulo também era muito usado entre os celtas, sendo creditado a  eles os primeiros relatos de uso de  lúpulo na produção de cerveja e também de hidromel.

Os Hidroméis  produzidos pelos celtas eram diferentes dos hidroméis produzidos por outras culturas, devido ao grande número de tribos e ao comércio constante entre elas, os hidroméis produzidos por cada tribo podiam conter diferentes tipos de méis, frutas e especiarias dos mais diversos locais do mundo antigo. Os celtas eram também conhecidos por fornecerem seus hidroméis para outros povos. Os nórdicos apreciavam bastante o hidromel produzido por algumas tribos celtas, devido terem maior teor alcoólico, já que o mel não era escasso como eram em algumas regiões nórdicas. O hidromel celta também não estragava facilmente. Isso se comprova pela adição de lúpulo, pelo teor alcoólico e pela forma de estoque.

Foram também os celtas que inventaram o barril e consequentemente foram os primeiros à armazenar  hidromel e outras bebidas alcoólicas em barris. Antes do barril as bebidas eram armazenadas em vasos cerâmicos ou metálicos. Diversas jarras de bronze usadas para armazenar hidromel e outras bebidas alcoólicas foram encontrados em escavações arqueologias. A mais famosa entre elas é a Jarra de Dürrnberg, descoberta em um tumulo, já pilhado, na cidade de Dürrnberg, Áustria. A jarra foi usada para guardar hidromel e é considera uma das mais belas peças de arte celta. A jarra está disponível para visitas no Celtic Museum at Hallein, Áustria [2].

Jarra de Dürrnberg

O hidromel também foi usado em sacrifícios humanos. Os reis irlandeses Diarmait mac Cerbaill e Muirchertach mac Erca, foram feridos e presos, cada um, em uma casa em chamas e mortos afogados em barris de hidromel durante o festival de Samhain [2].

Atualmente o hidromel é consumido em todo o mundo, principalmente na Europa e América do Norte, devido um grande movimento de “reconstrução” de identidade cultural. Diversos países que desfrutam da herança e do legado deixado pelos antigos povos celtas, ainda continuam com a tradição na produção de hidromel e alguns variantes. No entanto, a cultura celta é pouco referenciada nos livros e artigos sobre produção de hidromel. No Brasil, por exemplo, o hidromel ainda é muito ligado a cultura nórdica, mesmo o hidromel estando mais presente nos contos e mitos celtas.

No Brasil o hidromel vem ganhando forças e conquistando o público aos poucos.  Se ficou interessado e quer saber mais sobre hidromel, como fazer hidromel, dicas e receitas, confira o  site Branwen e o Guia de Como fazer Hidromel!

Guia, como fazer hidromel – Branwen.

Referências:

[1]: GREEN, Miranda. Animals in Celtic Life and Myth. Routledge, 2002.

[2]: KOCH, John T., MINARD, Antone. The Celts: History, Life, and Culture. Santa Barbara, CA: ABC – Clio, 2012.

Fotos:

1 [Capa] Xuan Che. Hochdorf drinking horn. 2009.

2 Xuan Che. Hochdorf bronze container, celts lion,detail. 2009.

3 Oar Square. The Dürrnberg Bronze Flagon. 2013.

 Compartilhe, cite, faça críticas ao artigo, mas não copie. Plágio é coisa feia 🙂

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.